Navigation

Homem que passou décadas com a cara presa às coxas pode finalmente ficar de pé como uma pessoa normal

Um homem de 46 anos de idade que, supostamente, passou as últimas três décadas da sua vida com o rosto pressionado contra as coxas, após ter sido diagnosticado com uma doença rara chamada espondilite anquilosante.
Um homem de 46 anos de idade que, supostamente, passou as últimas três décadas da sua vida com o rosto pressionado contra as coxas, após ter sido diagnosticado com uma doença rara chamada espondilite anquilosante.

Li Hua foi diagnosticado com espondilite anquilosante quando tinha apenas 18 anos de idade, e ao longo dos anos o seu estado piorou ao ponto de se tornar literalmente um "homem dobrável" com o rosto pressionado contra as coxas. A família do Sr. Hua, que vem da cidade de Yongzhou, na província de Hunan, na China Central, não tinha o dinheiro necessário para o tratamento, mas o seu caso tornou-se tão grave que atraiu a atenção do Professor Tao Huiren, chefe de cirurgia de coluna e ortopedia no Hospital Geral da Universidade de Shenzhen. Ele já havia tratado pessoas com espondilite anquilosante, mas nunca havia visto um caso tão grave. Mesmo assim, ele se encarregou de ajudar Li a ficar de pé de novo.

"A nossa única opção era partir-lhe os ossos uma secção de cada vez - fémur, vértebras cervicais, vértebras torácicas, vértebras lombares - e depois endireitar toda a coluna vertebral", disse o Professor Huiren. "Os riscos envolvidos eram 20 a 30 vezes maiores do que os de um paciente de cirurgia regular da coluna vertebral, e as chances de ele se tornar paraplégico também eram muito altas".
Mesmo os pacientes que sofrem de espondilite anquilosante extremo seriam normalmente capazes de pelo menos levantar a cabeça, mas Li Hua não conseguiria. Sua deformidade espinhal severa foi descrita como "três": queixo no peito, esterno no púbis, e face no fêmur. Embora o risco de paralisia fosse extremamente alto, os médicos concluíram que não operar teria muito provavelmente colocado Li em perigo de morte, pois a pressão sobre o coração e pulmões era mais do que uma pessoa pode suportar.


O Hospital Geral da Universidade de Shenzhen na província de Guangdong, no sul da China, descreveu a cirurgia corretiva de Li Hua como o equivalente cirúrgico da escalada do Monte Everest. Foi feita em quatro fases e exigiu a quebra da coluna vertebral do homem de 46 anos em várias secções, endireitando-a, bem como a fixação dos seus ossos da coxa. Fotos pós-cirúrgicas de Li Hua mostra o a andar direito com a ajuda de um andarilho, que os médicos dizem que ele nem sequer vai precisar num futuro próximo.
"Claro que ele não será capaz de fazer nada muito extremo como boxe ou jogar tênis, mas todos os movimentos corporais regulares não serão um problema", disse o professor Tao Huiren.
Li Hua, que lutou para comer e beber antes da operação, agradeceu à equipe médica que o ajudou a ficar de pé novamente em linha reta, acrescentando que sua gratidão ao Prof. Huiren é a sua mãe.

"Não haveria cura para mim sem o Dr. Tao. Ele é o meu salvador, e a minha gratidão para ele é minha mãe", disse o Sr. Li.

A espondilite anquilosante (EA) é uma doença inflamatória que ocorre principalmente nas vértebras da coluna e nas articulações (juntas) que ficam na região das nádegas, conhecidas como articulações sacro-ilíacas.1-3 Essa inflamação é caracterizada por dor nas costas, rigidez e desconforto crônico nesta região.2,3 A doença também pode apresentar outros sintomas, como dor e/ou vermelhidão nos olhos, diarreias ou cólicas sem motivo aparente, dor ou inchaço nas juntas (caso dos calcanhares, cotovelos e dedos), lesões na pele (a exemplo da psoríase). Se não tratada, essa inflamação pode levar a uma fusão de algumas das vértebras, o que é chamado de anquilose. Essa fusão torna a coluna menos flexível e pode resultar em uma postura curvada para a frente e na perda da mobilidade. Se as costelas forem afetadas, a pessoa pode ter dificuldade para respirar profundamente, por exemplo. Fonte: Drauziovarella

Fonte:Odditycentral
Share

Post A Comment:

0 comments: